Pesquisar

Historial

48 - Sete Portas

Ficha Técnica

 

Sete Portas
de Botho Strauss

 

Por vezes, durante minutos que se prolongam em demasia, a grande lufa-Iufa, a nossa vida quotidiana, parece dançar na orla do fogo. É então que se não vê apenas uma porta, mas sim sete, entreabertas. Tal poderia significar o verdadeiro fim; uma irremediável desmesura de saídas! Não uma saída livre, mas uma série de saídas, todas elas livres, que nos não deixam qualquer oportunidade de enveredar pelo único caminho certo. Perante os segredos violados - perante uma arena de portas entreabertas que nos atraem, permanecer sentado é a coisa mais definitiva do mundo. Porque, pouco depois, se desvanece a ilusão; foi tudo uma partida maldosa, que o diabo pregou aos nossos sentidos. Aqui não é o limbo, aqui não é o inferno em versão suave, e o diabo está apenas na comparação mal feita. Botho Strauss, SETE PORTAS

 

Tradução Renato Correia

Encenação Luis Miguel Cintra

Assistente de encenação Natália Vieira

Cenário e figurinos Cristina Reis

Assistente para o cenário e figurinos Linda Gomes Teixeira

Montagem Fernando Correia

Assistente de montagem João Alves

Iluminação Luis Miguel Cintra

Montagem eléctrica e operação de luz e som Ricardo Madeira

Guarda-roupa Emília Lima

Costureiras Aline Sêco, Piedade Duarte, Ofélia Lima e Teresa Cavaca

Manutenção do guarda-roupa Alice Madeira

Contra-regra Alfredo Martinho

Cartaz Cristina Reis

Interpretação

Adriano Luz, António Fonseca, Diogo Dória, Gilberto Gonçalves, Glicínia Quartin, Luísa Cruz, Luís Lima Barreto, Luís Lucas, Luis Miguel Cintra, Manuela de Freitas, Miguel Guilherme, Natália Vieira, Paulo Pinto, Rogério Vieira e Teresa Roby

 

O SENHORIO

O Inquilino Rogério Vieira

O Presidente do Conselho de Administração Miguel Guilherme

 

REGRESSO A CASA

O Encenador Luis Miguel Cintra

A Mulher Teresa Roby

O Homem Luís Lima Barreto

 

UM ERRO

A Senhora do Microfone Manuela de Freitas

O Que Exorta e Adverte Gilberto Gonçalves

 

NO SALÃO AUTOMÓVEL

O Primeiro Homem Luís Lucas

O Segundo Homem António Fonseca

O Vendedor Paulo Pinto

 

REFÚGIO

O Homem Luís Lima Barreto

A Mulher Teresa Roby

O Prisioneiro Miguel Guilherme

 

OS GUARDAS

O Guarda Costas Diogo Dória

O Guarda do Parque Adriano Luz

 

UM MENSAGEIRO

O Mensageiro Rogério Vieira

O Homem Luís Lima Barreto

 

A CARTEIRA DE PELE

O Empregado Paulo Pinto

A Primeira Cliente Manuela de Freitas

A Segunda Cliente Luísa Cruz

A Terceira Cliente Glicínia Quartin

Primeira Polícia Luís Lucas

Segunda Polícia António Fonseca

 

O SUICIDA E O NADA

O Suicida Diogo Dória

O Nada Adriano Luz

 

DIA DE CASAMENTO, À TARDE

Ela Manuela de Freitas

Ele Luis Miguel Cintra

 

ÍDOLOS

A Rapariga Luísa Cruz

O Homem Luís Lima Barreto

O Jovem Paulo Pinto

 

NO BANCO COMPRIDO

A Rapariga Luísa Cruz

O Homem Luís Lima Barreto

A Mulher Teresa Roby

Frei João Luís Lucas

Frei Nando António Fonseca

Colombina Gilberto Gonçalves

A Jornalista Glicínia Quartin

A Satisfeita Natália Vieira

O Imperador Juliano Diogo Dória

O Fala-Baixo Adriano Luz

 

JEANNINE

Primeiro Homem Rogério Vieira

Segundo Homem Miguel Guilherm

Empregados de Escritório Adriano Luz, António Fonseca, Luís Lucas, Luis Miguel Cintra, Luísa Cruz, Miguel Guilherme, Natália Viera, Paulo Pinto e Rogério Vieira

Desportista Paulo Pinto

 

Nota: A CARTEIRA DE PELE e JEANNINE não figuravam na primeira edição da peça. São duas cenas suplementares acrescentadas por Botho Strauss para a estreia da peça em Estocolmo. A CARTEIRA DE PELE é dedicada a Luc Bondy. Para a representação da peça, o número e a sucessão das cenas são deixadas à escolha dos teatros. Conservámos todas as cenas, introduzindo as cenas suplementares na ordem das outras cenas proposta pelo autor.

 

Lisboa: Teatro do Bairro Alto. Estreia: 28/05/1993

56 representações

Companhia subsidiada pela Secretaria de Estado da Cultura

Apoio de Jornal de Letras, Expresso, Cristina Lima, Margarida Leite, Jorge Alberto Gonçalves, Polaroid, e Superconfex

Apoio do Goethe-Institut de Lisboa para a tradução do texto e os direitos de autor

Este Espectáculo

Encenámos na PRIMAVERA NEGRA um nosso sentimento da vida. Um espaço denso, denso de paixão, de revolta. Um encontro violento com o mundo. Para falarmos do mundo contemporâneo pusemo-nos a nós em cena, representámos o mundo com os corpos deformados, os andrajos, o espaço concentrado, as linhas tortas, as cores sombrias que nós sentimos que ele tem ou que nele vêem os nossos corações, adoptámos o expressionismo de Brandão e na representação dessa visão apaixonada do mundo levámos para cena um manifesto. Falávamos além disso de Portugal.

Em quase tudo este SETE PORTAS difere do espectáculo anterior. Este espectáculo gostaria de ser, tal como o anterior, um espectáculo que se referisse a um tempo presente. Mas ao contrário do outro este espectáculo já vos não diz coisas, já não nos expõe, já não é a representação de um ponto de vista, de uma opinião. Este espectáculo é talvez apenas uma fotografia, uma fotografia do mundo como Europa, se quiserem também de Portugal, mas de um Portugal onde não nos reconhecemos, um Portugal já informatizado, já Comunitário Económico, já Europeu. É a vida vista da máquina. De fotografias se fala, aliás, tanto nesta peça. Da redução da vida a reproduções fotográficas. Congelar o tempo. Este espectáculo é um espectáculo frio. Talvez um espelho. Tão frio e tão vazio como todos os espelhos.

E que vemos nesse espelho? Vazio outra vez. Nada. Pequenos nadas. Bagatelas. Anonimato. Uma enorme ausência: a ausência do real. E a impossibilidade da transcendência.

"Mas não pode ser só isto" diz um dos Dominicanos que estão no banco comprido do fim da peça. Mas é só isto, responde-lhe o outro. E não é pouco, apetece-me a mim acrescentar. São fotografias da hora zero. O cavalo possesso? As aves retalhadas? Os filósofos de rosto lívido? As torres a ruir? 0 que lhe queiram chamar. São também ilusões, figurações. Palavras. Talvez figurações de sonhos. Falta justamente tocar o real.

Raras vezes tive em mãos material tão fugidio como esta peça. E o que acabareis por ter diante de vós será com certeza a encenação desta mesma sensação, deste vazio. A sensação talvez que se terá perante um enigma, uma caixa de segredos, a esfinge. O tal momento em que se não vê apenas uma porta mas sete, o verdadeiro, fim. A encenação de um momento de angústia. Também o vazio de uma fotografia. É de facto uma peça que temos em mãos? Pequenas anedotas. Com humor? Segundo o próprio autor, sem ordem fixa sequer. Pode ser uma ou outra, pode saltar-se a que se quiser. Não sabemos sequer que corpus tem. São bagatelas. Que acção? São conversas. Sobre quê? Diálogos filosóficos? Talvez. Mas de nada se fala. A linguagem engendra-se a si própria e apenas a si própria se refere. A relação com o real perdeu-se. E há situações? Há. Situações que são a projecção abstracta de situações modelo. Módulos de situações. Há a sobreposição de situações, sobre-impressões: personagens em sofás, encontros/desencontros a dois. As situações são afinal esquema. O sítio deixou de existir. E há personagens? São pessoas estas personagens? São certamente anónimas. Chamem-lhes HorstTietze ou Senhor Gorschinski, sejam processadores de dados ou filósofos, correspondem a um padrão. Como diz o nosso Homem, o novo Adão, Everyman: as profissões são todas iguais. São pares, casais, e são possantes, transeuntes. Não há a outros modelos. Serão protótipos? Serão tipos? Serão exemplos? Não sabemos. Agora a talvez as pessoas já sejam todas iguais. "Quem sou eu?" Isso ninguém pergunta. Haverá neste espelho lugar para o monólogo? Para um encontro consigo? O Fala-Baixo do banco comprido não fala para o público? Não se dá em espectáculo? "O que é que eu sou?" já pergunta o Todo-o-Mundo ou o Ninguém. Mas não se lembra como se chama o que é, a sua profissão. "Quem é você?" pergunta muita gente para não ter de dar respostas: são produtores de perguntas, geradores de discursos, indagantes. Menos para conhecer que para esconder o real. Estes diálogos existem para tapar um silêncio. Estes casais falam para substituir uma relação. O pensamento é autofágico como o automóvel que dois destes personagens queriam comprar. O desejo foi substituído pelo seu nome ou pela sua imagem, ou pior ainda, pela sua jurisdição.

Este texto é filosófico? Conhecer parece ser a questão chave desta peça enigmática. É na relação com o real que o mundo adoeceu. E o cenário que Botho Strauss nos propõe não é uma caverna de Platão? Aquele semi-círculo abstracto com sete portas mágicas que espaço é? O castelo do Barba-Azul? Tebas, a cidade? Um espaço mental? Um écran? Que imagens nele se projectam? É difícil encenar e representar um vazio. Não há heróis na nossa Europa. E poderá ainda haver teatro? Como se torna concreto um material totalmente abstracto? Existem ainda lugares, pessoas, coisas que os homens desaprenderam de conhecer? Como reinventá-Ios? O nosso trabalho foi tentar tornar concreto o lugar abstracto em que a peça se passa. Tornar concretas as personagens, as situações, os modelos, que o texto prevê. E afinal fizemo-Io com novos modelos, formas esvaziadas com que preenchemos o vazio.

Fomo-nos reencontrando com uma imagem da realidade, mas terrível, e provavelmente tão escura como a da filha Jeannine do político do último diálogo. Fomos esbracejando para reencontrar a distância, o ponto de vista que adivinhamos em Botho Strauss, e que permite o humor - uma inteligência e um sorriso irmãos de Tchekov que quereríamos aprender do texto mas que ainda nos são difíceis de conquistar. Poder dizer: pobres mortais! SETE PORTAS não é antes uma brincadeira sem mais consequências? Ou música com as palavras dos nossos dias? Bagatelas como a peça de Lizt em fá sustenido que escolhemos para abertura do espectáculo ou a Folha de Álbum em forma de valsa?

De uma forma ou outra é um pequeno Teatro do Mundo, deste nosso Mundo, que aqui fica. Em que a alegria se esvaziou. E o amor. Ainda há melancolia?

 

Luis Miguel Cintra

Imagens

fotografias de Paulo Cintra e Laura Castro Caldas ©